#copiright

15 de setembro de 2011

Blind Guardian em São Luiz, por João Luiz

Clique para ampliar
Era 07 de Setembro de 2011, feriado nacional, Ana, minha esposa, minhas duas amigas, Malú e Aline e eu partimos para fazer história em nossa cidade e viver um dos momentos mais felizes de nossas vidas: Ir finalmente ao Show do Blind Guardian.

Morar no Nordeste é uma alegria sem fim, não troco minha terra - Teresina/PI - por nada nesse mundo, mas sofremos bastante no quesito grandes show de Metal. Ano passado ficamos sabendo que o Blind faria sua turnê novamente na América do Sul para seu mais novo álbum. O Brasil sempre escolhido como sendo um país com elevado número de fãs da banda não poderia ficar de fora. Dessa vez, a banda resolveu ir mais além, tocar no norte do país. A cidade escolhida: São Luís, a capital do imenso Maranhão.

Ela foi escolhida porque a cidade está se tornando um centro de grandes eventos do estilo. Já tocaram por lá a DORO, Primal Fear, e até Scorpions. Algo muito bom, pois só nós sabemos o quanto é distante tudo aqui para o resto do Brasil, mesmo de avião.

Pegamos o voô 16:30 saindo de Teresina para São Luís. Ao subirmos no avião o mundo parou: A Banda e seus técnicos estavam nele. O mais legal é que eu estava com uma camisa com desenhos indiano e o André olhou para ela por bastante tempo, foi por causa disso, que descobri que dali em diante aquela viagem seria algo inesquecível para todos nós.Tiramos fotos e pegamos autógrafos. A gente fica nervoso nessas horas, sabiam? Hahaha

Clique para ampliar




Clique para ampliar



O pessoal recebendo a banda no Aeroporto de São Luís/MA (Fonte vermelha) cantando 'The Bard´s Song - In the Forest'
 



O show foi dia 08, local mudado do Batuque Brasil para o Patrimônio Show, localizado no Centro Histórico de São Luís. A produtora que trouxe a banda (Lamparina Produções) só começou a entregar os ingressos para aqueles que compraram pela internet depois das 16 horas, mas correu tudo bem. O local é bem localizado, climatizado. O Show começou 21 horas, mas chegamos antes porque teria um Banquete Medieval para quem comprou camarote. Ao entrarmos a mesa desse Banquete Medieval só restavam ossos e farinha de um Leitão assado. E olha que a gente entrou logo. Mas achei legal pensarem algo assim, só erraram em pensar que headbanger come pouco.

Não houve banda de abertura, o Blind começou o show 21 horas e depois disso, eu não me lembro muito do que aconteceu. As lágrimas caíram em praticamente todas as músicas, mas eu lembro mais ou menos e não nessa ordem quais foram as faixas tocadas:

- Majesty, Nightfall, Valhalla, The Lord of the Rings, Tanelorn, Traveller in Time, Time an Stil, Sacrade Worlds, Imaginations.., Mirror Mirror e fechando com The Bard´s Song. Todas a músicas foram cantadas em coro pelo público que não passou de duas mil pessoas, mas o pessoal estava tão empolgado que parecia que éramos dez mil. The Bard´s Song foi tão impressioante que a banda parou e ficou olhando nós chorando e cantando ela, pois não foi somente eu que chorei, quase todo mundo tava chorando nessa hora.Tem mais faixas, mas não consigo lembrar delas, alguém lembra e coloca nos comentários!


Clique para ampliar

Foi um show de duas horas que passou rapidinho, a interação de Hansi com o público foi algo que somente quem estava lá pode dizer realmente qual foi a sensação, a banda é impressionante, não erram e tocam com uma energia contagiante. Era também aniversário do Marcus Siepen e o pessoal de São Luís fez uma surpresa cantando 'parabéns para você' e jogando balões no palco. Hansi arranhou algumas palavras em português e apesar de parecer velho, pois ele tá velho mesmo, canta com bastante folêgo e poder. Hansi Kürsch é o Poder, não adianta. O local do Show não é feito para shows de Metal, a acústica no começo estava horrível, mas depois foi melhorando, mesmo assim, o som não foi limpo. Esse foi o defeito do show.

Fãs vieram de várias partes do Norte e Nordeste. Belém, Recife, Teresina, Maceió e evidente os fãs de São Luís. Se tiverem oportunidade visitem essa capital tão bonita, o centro histórico é muito bonito e conta toda nossa história. O show foi supremo, mas ter conhecido São Luís também foi algo que valeu a pena.

Espero que a banda tenha gostado da gente do Norte, pois todos nós gostamos do show e entrou para a história para uma região tão esquecida como é o Norte e Nordeste do Brasil. E o melhor de tudo, tem público. Unidos e felizes, pois não aconteceu nada  nem fora ou dentro do espaço para dizer que headbanger é agitador e causador de confusão. Tudo na paz e harmonia, pois só queríamos ouvir nossa banda preferida.

Agradecer ao Marlon por deixar eu escrever como foi o show, desculpa se está cheio de emoção, não podia ser diferente, não sou reporter, sou apenas um fã de metal que realizou um sonho. Valeu, Marlon!

Pikachu Sama.

Comentários
8 Comentários

8 Bardos comentáram, comente!:

Nossa, chorei só de ler uma coisa assim! Não sei a reação que eu teria se encontrasse o Blind em algum lugar... também fui ao show dessa turnê, mas aqui no Rio de Janeiro.
Foi, sem dúvida alguma, a maior emoção que já senti. Não consigo escolher um momento que tenha sido mais especial que outro; Nightfall, por ser a minha música favorita, me deixou sem ação e bestificada, juntamente com Time Stand Still; mas foi em The Bard's Song que meu mundo finalmente foi colocado no lugar certo, a razão de um dia ter escutado um CD dessa banda e minha vida até ali. Chorar não define... ver homens chorando sem problema algum, sem nenhuma vergonha de exteriorizarem seu amor por algo divino!
Quem me conhece já está cansado de ouvir isso, mas pra mim o Blind Guardian é "a perfeição em forma de banda". Nada de errado, desde as músicas incríveis até os integrantes que são especiais mesmo, artisticamente e como seres humanos. Hansi... bem, é o Hansi... como descrito: poder! A VOZ, nada se compara ao Hansi cantando, nenhuma emoção me tomou tão completamente quanto ouvir a voz dele, ali há menos de 2 metros de mim. Quando aconteceu de ele olhar pra mim, e ele olhou!, eu olhei aquilo e fiquei ali, boba e encantada. Sou grata por um dia ter tido a oportunidade de conhecer essa banda e de hoje AMÁ-LA de todo meu coração.
Quem sabe na próxima turnê eu não pegue o mesmo avião que eles e viva emoção igual a de vocês?! rs :D
Vida longa aos bardos!
Minha nova filosofia: "Fui ao show do Blind Guardian, logo existo!"

Meu irmão eu não acredito... kralho!!!! Eu fui para show saindo de Fortaleza e deixei de pegar esse vou pq fazia escala e ia demorar de mais... não acredita que perdi a chance de viajar com os caras....rsrsrs
O show foi perfeito, acho que todo mundo penou para poder estar lá, pelo menos quanto a mim estarei pagando contas até o fim do ano, sendo quê comecei a pagar em Abril, mas valeu dados os esforços para está lá, não existem palavras para descrever a emoção que estávamos aos velos cantando... foi demais.

Oi...
Ainda estou esperando que tu envies a minha foto com André. Fiz tua foto com ele na sala de embarque do Aeroporto de São Luis, lembras?
Geo

ah!!! Acho que perdeste o meu e-mail que anotei para ti: riccigeo@hotmail.com
Geo

Eu consegui trocar duas palavrinhas com o Hansi no aeroporto após o show. "Oh!, it was memorable." - foi o que ele disse quando o agradeci pelo show. =)

De fato, o público cantou, e bem alto, por toda a duração do show.

Nunca vi um cara mais sortudo igual o Pikachu...auhsuahsuahs

Paula Nindë, eu tenho a mesma filosofia. A diferença é que eu ainda não existo. Eu sei, trágico.
Esse cara é muito sortudo! Viajar com Hansi e companhia! E só em meus sonhos mais loucos eu pensei em cumprimentar Hansi, mas nunca dirigir-lhe uma frase, ou mesmo viajar no mesmo avião!!!!!!!!!
(E nem acho que conseguiria alguma frase!)

Postar um comentário

Faça um colaborador feliz, comente: