Conheça a "Das Bards" - Uma típica cerveja “Weinzenbier” !

A Das Bard foi feita somente 12 Unidades e distribuidas inclusive para os integrantes do Blind Guardian!

Blind Guardian em Curitiba - 2015, camarote Blind Guardian Brasil.

Saiba o que rolou no show de Curitiba/PR em 2015.

Tenha a oportunidade de ter o vinho dos bardos da Alemanha

Estamos nos organizando para importar o vinho Syrah do Blind Guardian, não fique fora dessa, clique e saiba mais sobre isso.

Ajude o Blind Guardian Brasil a crescer.

Faça-nos uma doação, e contribua para o crescimento do maior fã clube do Blind Guardian.

Blind Guardian, isso é PODER!

Blind Guardian é a maior e melhor banda de POWER METAL do mundo!

#copiright

29 de fevereiro de 2012

6º Episódio da Guardian TV Disponível (traduzido)


Hey Bardos!!!

Notícias boas e ruins, quais querem primeiro? (pergunta clichê demais, não?!)

Enfim, muito trabalho - depende do ponto de vista - estamos tendo ultimamente já que o Blind Guardian resolveu divulgar todas as Guardian TV´s restantes quase que simultaneamente.

Notícia ruim primeiro então meus caros: a Guardian TV terá apenas 7 episódios, segundo o facebook dos Bardos. Justo agora que estávamos nos acostumando... Mas, Eles - sim, com letra maiúscula mesmo - sempre nos surpreendem.

Notícias boas agora então! A primeira é que o episódio 6 já está traduzido, confiram logo abaixo. A segunda é de que não vamos precisar esperar muito para conferir o próximo! Segundo o próprio Blind Guardian, o episódio final será divulgado na sexta-feira.

E a terceira é que, após o lançamento de todos os episódios, faremos um "mega post" comentando todos e com todos os vídeos legendados. Precisamos de um pouco de tempo para isso, claro. "Bards At Work"!

Enfim, chega de comentários. Com vocês a 6ª Guardian TV devidamente traduzida! ;)

Blind Guardian TV – sexto episódio (traduzido)

Sobre carreira e fãs

Diferentemente de outras bandas, vocês estão constantemente crescendo e evoluindo. De onde vocês tiram coragem para sempre criar algo novo e não repetir algo que já foi feito e testado?

André: Eu acho que isso, talvez, é uma das coisas mais importantes de nossa filosofia na Banda. Nós sempre tentamos encontrar novos elementos que nos direcione de maneiras diferentes para manter a criatividade viva. Você precisa tentar novas coisas, deve definir seu próprio estilo em cada um dos álbuns. Tentamos captar o estado de espírito daquele momento quando produzimos algo, pois, tudo muda e precisamos nos adaptar também, como banda, para sobreviver e ficar satisfeitos com nós mesmos. E, atualmente, eu estou realmente satisfeito com o caminho da Banda. Fazemos uma boa música, sempre estamos tentando e criando coisas novas e todos na Banda são livres para criar e trazer novos elementos. Somos todos muito abertos quanto a isso, o que cria um ambiente agradável. Eu gosto disso.

Vocês tiveram sucesso em manter seus antigos fãs e, ao mesmo tempo, conquistaram novos. Como vocês conseguiram fazer isso sem manchar a imagem da Banda ou mesmo sem longas campanhas de marketing?

Marcus: Eu acho que nosso segredo para manter os fãs antigos e, ao mesmo tempo, conquistar novos, está sempre relacionado com nossa música porque nós sempre damos o melhor de nós para escrever e compor cada álbum, fazer a melhor produção possível naquele momento, fazer os melhores shows que conseguirmos. E eu acho que isso é muito mais importante que qualquer outro tipo de promoção ou campanha de marketing porque, afinal, as pessoas vão até uma loja para comprar seu CD porque querem ouvir sua música e não ver pôsteres e fotos que não transmitem nada.

Frederik: Nós não queremos que o Blind Guardian tenha sua base em produtos artificiais. A música que criamos é exatamente aquilo que queremos fazer. Não há nada de artificial nos elementos que criamos. É tudo natural, sincero e honesto.

Pessoas do cenário RPG tem descoberto a música do Blind Guardian por mais de duas décadas. Como vocês explicam essa atração especial que o movimento tem por vocês?

Hansi: Eu acho que o Blind Guadian começou como uma banda de “fantasy metal”. Isso é percebido em nossas músicas e também em nossas letras. E as pessoas, especialmente as que são ligadas a esse cenário de fantasia, facilmente percebem esse elemento em nossas composições, essa sensibilidade e honestidade que há nelas. E eu acredito que isso é o maior impacto nessas pessoas, pois elas continuam leais à Banda, entendem a mentalidade do Blind Guardian assim como nós entendemos a mentalidade desse cenário, em particular.

Em tempos de queda nas vendas de CDs, existe algum risco que as super produções de estúdio do Blind Guardian não sejam mais possíveis?

Marcus: O interessante de quando começamos uma longa ou super produção é que nós temos nosso próprio estúdio. Eu acho que, todo álbum desde “Nightfall In Middle-Earth” – eu acho –, foi gravado nele, o que nos dá toda a liberdade que precisamos para trabalhar. Então, não há uma escala que precisámos cumprir com outro estúdio, não há outras bandas no estúdio gravando antes ou depois de nós. Ou seja, podemos fazer o que queremos lá e isso nos dá toda a liberdade para fazermos o que queremos e buscar o melhor resultado possível. Nós não gostamos de qualquer compromisso ou pressão para fazer nossas produções, então levamos o tempo que precisamos. E eu acho que isso nunca mudará.





Novamente, fiquem bem caros bardos! ;)

And Then There Was Silence...

27 de fevereiro de 2012

5º Episódio da Guardian TV Disponível (traduzido)


Olá queridos Bardos!

Ninguém esperava mais um episódio da Guardian TV depois de apenas 2 dias do lançamento do último. Mas, como sempre, o Blind Guardian nos surpreendeu.

Segue a tradução do 5º episódio da Guardian TV.

Enjoy it!


Blind Guardian TV – quinto episódio (traduzido)

Sobre as lembranças dos 25 anos de carreira

25 anos de Blind Guardian. Vocês se sentem velhos ou sentem que o final da carreira está chegando?

Marcus: Na verdade, eu não sinto, de maneira alguma, o final da carreira do Blind Guardian chegando, porque nós continuamos com a mesma atitude, a mesma empolgação que tínhamos no início de tudo. Ainda fazemos a mesma música que amamos e nos divertimos com isso. Então, não há razão para nos sentirmos velhos ou pensar em parar de fazer o que tanto gostamos.

Que tipo de lembranças ouvir as demos do “Lucifer´s Heritage” traz?

Hansi: Bom, ouvir as demos do “Lucifer´s Heritage” nos traz muitas boas lembranças, especialmente, vocês sabem, os dias “sem preocupações”, porque nós realmente não fazíamos as coisas como fazemos hoje. Nós realmente gostávamos de curtir a vida, de estar em uma banda, não éramos tão músicos quanto hoje. Mas, naquele momento nós ainda não tínhamos idéia de que poderíamos fazer sucesso. E isso pode ser ouvido nas demos, há muito entusiasmo e vontade de tocar nas músicas mas, por outro lado, não tanto profissionalismo quanto colocamos nos álbuns que gravamos nos dias atuais. Mas as canções são ótimas! Nossa personalidade e perfis da época estão nelas, isso é importante. Muitas pessoas se esquecem disso hoje em dia e parece que músicos e bandas acham mais importante fazer coisas diferentes em suas canções, mas, no final, é apenas mais uma canção.

André: Quando eu ouvi as demos novamente fiquei realmente surpreso o quão boa era nossa habilidade em tocar os instrumentos naquela época. Eu não tinha noção disso. Porque eu era um garoto de 18 anos. Nós realmente tocávamos todos os instrumentos bem! (risos)

Hansi: É, alguns de nós! (risos)

André: (risos) O que eu quero dizer é que foi realmente muito bom, para aquela época. E era o início do cenário metal. Não havia muitas bandas por perto, naquele tempo, e nós realmente provamos que tínhamos qualidade. Na verdade, antes de ouvir as demos eu tinha uma idéia diferente em mente, achava que muito do que fazíamos não prestava. Mas, ouvindo novamente, percebi que nós realmente tínhamos um grande potencial.

Se vocês escutarem as faixas do “Memories Of A Time To Come” em ordem cronológica, onde vocês diriam que está o maior salto de progresso da banda?

Hansi: O maior progresso foi feito, eu diria, entre “Tales From A Twilight World” e “Somewhere Far Beyond” ou entre “Nightfall In Middle-Earth” e “A Night At The Opera”, porque foram dois momentos muito especiais. Quando nós fizemos o “Somewhere Far Beyond” o mesmo se tornou um dos mais vendidos na época e fez muito sucesso e foi nele que começamos a mudar um pouco nosso estilo, o que se tornou ainda mais óbvio quando fizemos “Nightfall In Middle-Earth”, porque apesar desses álbuns terem uma sonoridade diferente ainda continuavam sendo “álbuns do Blind Guardian” e todos nós sentimos que deveríamos mudar nossa direção depois disso. Tudo estava dizendo que deveríamos seguir aquela direção, em particular. Então, provavelmente, o progresso e evolução que tivemos quando fizemos “A Night At The Opera” foi a mais significante para nossa carreira.

Do ponto de vista de vocês, qual foi o momento de maior destaque na carreira do Blind Guardian nesses 25 anos?

Marcus: Preciso dizer que pra mim é muito difícil apontar um momento de maior destaque em nossa carreira porque foram muitos bons momentos que tivemos nesses 25 anos. Eu acho que se tivesse de escolher um momento seria o cruzeiro que fizemos, o “70000 Tons Of Metal” porque foi algo único, nós tocamos dois shows em um navio de cruzeiro indo para o Caribe com aproximadamente 2500 fãs. Havia uma mistura de 40 bandas naquele navio e nenhum tipo de bastidores. Então, era uma mistura de fãs e bandas, todos juntos. Era um ambiente excelente, nos divertimos muito lá!

Frederik: Para mim, o melhor momento provavelmente foi quando eu integrei a Banda que, sem dúvidas, é minha banda favorita. Então, eu tive muita sorte! E, se tratando dos shows do Blind Guardian eu escolheria, talvez, o meu primeiro show no Wacken porque foi uma experiência fantástica ser assistido por aproximadamente 70000...

Marcus: “Tons Of Metal”...(risos)

Frederik: Não, não! Somente pessoas, não toneladas de metal! (risos) Então, 70000 pessoas assistindo o seu show e assistindo você tocando. Essa foi uma experiência única para mim!

Olhando para trás, há alguma coisa que vocês teriam feito diferente em sua carreira?

Marcus: Eu não acho que mudaríamos qualquer coisa nesses anos. Obviamente que, se escrevêssemos canções hoje, elas seriam diferentes das que escrevemos em álbuns como “Batallions Of Fear”, por exemplo. Porque nós mudamos e crescemos tanto como escritores como músicos. Mas eu acredito que cada novo lançamento nosso representa o que o Blind Guardian é naquela época e eu não acho que haja necessidade de mudar qualquer coisa.


Dica do Vir: Adiantem o vídeo até 06:50 para assistirem os erros de gravação da Guardian TV, vale a pena!


Fiquem bem caros bardos! Até o próximo post! ;)

And Then There Was Silence...

25 de fevereiro de 2012

4º Episódio da Guardian TV Disponível (traduzido)


Hail Bardos!

Segue o quarto episódio da Guardian TV, que foi disponibilizado hoje pela manhã pelo Blind Guardian, já traduzido.

Enjoy it!





Blind Guardian TV – quarto episódio (traduzido)

Sobre as regravações e a arte da capa

Embora haja 20 anos de diferença entre as canções mais antigas e as mais recentes, “Memories Of A Time To Come” soa muito homogêneo. Vocês se surpreenderam com isso?

Marcus: Eu não fiquei tão surpreso com essa homogeneidade do álbum, afinal, todas as canções são do Blind Guardian. Claro, durante os anos nós aprimoramos e desenvolvemos nosso estilo, mas os elementos que fazem a banda ser o que é estão lá. Podemos ouvir que todas as músicas harmonizam, por isso soam como se fosse de um único álbum.

Há alguma canção que revela algo inesperado ou características esquecidas, qualidades não percebidas na época da gravação original?

Hansi: Muitas das canções trazem, de volta, grandes lembranças. E ao mesmo tempo algumas qualidades que não lembrávamos mais. Eu me lembro de “Somewhere Far Beyond”, por exemplo, que eu considerava ser uma canção muito forte, mas eu não tinha percebido o quão especial essa canção era e o quão importante o álbum “Somewhere Far Beyond” foi para nossa carreira. E isso se tornou óbvio durante as novas remixagens e novas regravações.

Por que vocês decidiram regravar algumas canções, e por que escolheram “Valhalla”, “The Bard´s Song” e “And Then There Was Silence”?

Frederik: Houve diversas discussões sobre quais canções colocaríamos nessa coletânea. E, toda canção que está no “Memories Of A Time To Come” é, de certa maneira, especial para nós. Mas, essas três canções, “Valhalla”, “The Bard´s Song” e “And Then There Was Silence” são tão especiais que sentimos que seriam excelentes opções para os fãs que já conheciam as mesmas em suas versões antigas, escutarem elas em uma nova versão nesse álbum.

Como foi trabalhar novamente com Kai Hansen durante a regravação de “Valhalla”?

André: Kai é um grande amigo da banda e um excelente cara! E, novamente, foi ótimo trabalhar com ele, especialmente regravando essa canção, pois nós já estamos juntos há 23 ou 24 anos. Trabalhamos do mesmo jeito que da primeira vez. A harmonia entre nós continua ótima e funciona! E há muita criatividade nisso tudo também, que acho que conseguimos ouvir na nova versão.

Quão complexo foi regravar uma canção monumental e épica como “And Then There Was Silence”?

Hansi: Já foi um desafio gravar “And Then There Was Silence” entre os anos 2000 e 2001. Sempre havia aquele pensamento de que poderíamos fazer algo melhor. E essa foi a primeira chance real de fazermos isso, nessa coletânea. E, como já tínhamos muita experiência em tocar essa música ao vivo, nós pensamos que as dificuldades de regravá-la seriam menores do que há 10 anos. Mas, rapidamente, percebemos que estávamos errados. Foi tão complicado quanto há 10 anos. Porque é uma canção complexa, com muitas partes orquestradas e muita dedicação de todos os membros da banda nela. Então, no final, a regravação dela nos tomou tanto tempo quanto a gravação há 10 anos. O resultado foi tão bom, talvez melhor, talvez não, diria que depende de quem ouvir. Mas foi muito divertido fazer isso novamente. E, não vou dizer que não faremos isso novamente em 10 anos.

O que vocês podem nos dizer sobre a arte e encarte do “Memories Of A Time To Come”?

Marcus: Toda a arte e encarte foram feitos por Felipe Machado, novamente, que também trabalhou na arte de nosso último álbum. Há muitos comentários sobre as canções, notas sobre elas, muitas fotos mostrando toda nossa carreira, incluindo fotos muito antigas da época em que gravamos os Cds Demos, em meados da década de 80 até fotos muito recentes das últimas turnês. Eu acho que é realmente empolgante quando alguém vê todo o encarte, porque é como se estivesse nos seguindo durante nossa carreira, nossa história.

Frederik: Especialmente a desenvolvimento e mudanças de nossas fisionomias! (risos)

Marcus: É! Isso também! (risos)



21 de fevereiro de 2012

Shaman no Bard's Night do Blind Guardian + Grave Digger

The Bard's Night Festival, que tem em seu cast  Blind Guardian & Grave Digger, acaba de ganhar mais uma atração de peso.

A banda paulistana SHAMAN, composta por Thiago Bianchi (V), Leo Mancini (G), Fernando Quesada (B) e Ricardo Confessori (D) também fará parte do festival.

O SHAMAN vem divulgando seu último lançamento, Origins (2010), CD conceitual que conta a história de Amagat e sua jornada errante em rumo ao desconhecido até sua consagração como aquele que enxerga no escuro.

SERVIÇO – THE BARD’S NIGHT

Data: 23/4 – Segunda-feira
Horário: 21h
Local: Credicard Hall
Endereço: Av. das Nações Unidas, 17955
Informações: (11) 2359-3262 e (11) 7520-0721
Site: www.negriconcerts.com.br
Classificação Etária: 14 anos
INGRESSOS
Pista Premium: R$ 250 | Pista Premium Meia: R$ 125
Pista: R$ 150 | Pista Meia: R$ 75
Camarote 1: R$ 300 | Camarote 1 Meia: R$ 150
Camarote 2: R$ 250 | Camarote 2 Meia: R$ 125

ATENÇÃO ESTUDANTES: Antes de adquirir o seu ingresso, confira como funciona a política de meia-entrada! Caso você seja de outro estado, LEIA COM ATENÇÃO como funciona a meia-entrada em São Paulo.

PONTOS DE VENDA:
Venda online: http://www.ticketsforfun.com.br

Realização: Negri Concerts


15 de fevereiro de 2012

BLIND GUARDIAN CONVOCA OS FÃS PARA O METAL OPEN AIR!



Realização: Negri Concerts / CKConcerts
Promotor Local: Lamparina Produções

SERVIÇO – METAL OPEN AIR

Data: 20, 21 e 22 de abril
Abertura dos Portões: 09h
Início dos Shows: 13h
Local: Parque Independência
Endereço: Bairro São Cristóvão – CEP: 65055-420 - São Luís – Maranhão
Informações: www.metalopenair.com
Classificação Etária: 14 anos

INGRESSOS ANTECIPADOS PROMOCIONAISPassaporte Pista 1º Lote - R$ 350
Passaporte Pista Estudante 1º Lote – R$ 175 - ESGOTADO
Passaporte Camarote + MG Area - R$ 850
Passaporte Camping: R$ 100 por pessoa

A Ticket Brasil cobra taxa de conveniência de 20% sobre as compras de passaportes efetuadas no site da empresa e no site oficial do evento.

ATENÇÃO ESTUDANTES: Antes de adquirir o seu ingresso, confira como funciona a política de meia-entrada do estado do Maranhão.
PONTOS DE VENDA ONLINEwww.metalopenair.com e www.ticketbrasil.com.br.

Fonte: Metal Open Air: esclarecimentos gerais sobre ingressos - Novidades (Notícia) http://whiplash.net/materias/news_844/143522-metalopenair.html#ixzz1mTikN3Xd

8 de fevereiro de 2012

Marcus fala sobre o disco orquestrado!

Em entrevista a Roadie Crew do mês de fevereiro, Marcus Siepen faz comentários sobre o disco orquestrado da banda. Confiram:

RC - Falando sobre o disco orquestral de vocês, ele já consumiu mais de dez anos de trabalho. Em que fase ele se encontra? E o que você realmente acha disso?
Marcus: Em relação à fase em que ele se encontra, acho que está mais ou menos no meio... Falando sério, a ideia surgiu em meados dos anos 90 e o processo está realmente muito, muito lento. Um dos problemas foi encontrar a orquestra certa para fazer trabalho, que acabou senda a mesma que tocou no nosso último disco de estúdio, a Orquestra Sinfônica de Praga. Chegamos a gravar algumas músicas, depois que definimos a orquestra o processo começou a andar mais rápido. Eu acredito que poderemos lançar o disco em pouco tempo. Mas eu não queria fixar uma data para isso, é muito difícil tentar prever isso. Sobre a minha opinião pessoal a respeito, acho que os fãs vão gostar, porque serão as músicas do Blind Guardian em outro formato. Os arranjos vão ser os mesmos, as melodias vão ser as mesmas, só não vai ter a banda tocando. Vai ser Hansi cantando e uma orquestra acompanhando, sem guitarra, baixo e bateria. Em minha opinião, está ficando ótimo.

RC - A ideia de fazer um disco assim foi de toda a banda ou era um desejo de Hansi?
Marcus: Toda a banda participou da decisão. Não foi o caso de Hansi chegar para nós e falar? "Olha eu quero fazer um disco com uma orquestra e sem vocês.". Não, nada disso. Tanto que quem teve a ideia foi André, que um dia comentou que seria interessante experimentar adaptar nossas músicas para o formato de orquestra. Nós adoramos a proposta dele e foi aí que surgiu o nosso disco Clássico. Todos na banda abraçaram a ideia, então, não é coisa de um único músico, nem um projeto solo. Nós chegamos a cogitar também fazeras mesmas adaptações das músicas incluindo a banda, para podermos apresentar esse trabalho ao vivo. Seria um projeto muito ambicioso e nada fácil de se viabilizar, mar é um desafio que gostaríamos de abraçar. Só que, no momento, é só um plano, e não há nada de concreto nesse sentido.

RC - Será que poderíamos dizer que esse será o próximo disco do Blind Guardian?
Marcus: Acho um pouco difícil garantir isso neste momento. Talvez ele venha depois do nosso próximo disco de estúdio - um disco de Heavy Metal, nos padrões normais. Vai depender de quão rápido ele se desenvolver. No momento, estamos juntando ideias para começar a compor nosso próximo disco de estúdio. Então, ainda não queremos dar prioridade para o trabalho com orquestra.

Fonte: Revista Roadie Crew, nº 157.